A paisagem é o mundo transformado pelo homem; física e simbolicamente.

É o mundo apropriado pela cultura, criado por ela, porque inscrito nas esferas da técnica, da cultura material, da memória colectiva, da pintura, da literatura, da religião, do mito, dos contos infantis, enfim em todas as esferas que constituem e dão existência àquilo a que na antropologia se chama cultura.

É por isso que o fim da(s) cultura(s) coloca em risco a existência da paisagem – abrindo caminho ao espaço único e homogéneo do capital, que doravante domina a geografia global.