Devastação em território urbano, Líbia, 2011, KeystoneUSA-Zuma/Rex Features

A contemporaneidade não é só uma época cujas paisagens ficarão marcadas pelos edifícios-jóias de Gehry ou Koolhaas.

A contemporaneidade vai muito além do espectáculo e do show off,  sendo igualmente marcada por inúmeros conflitos que vão deixando feridas abertas nas suas paisagens.

O documentário abaixo, Death in Gaza (2004), é magnífico justamente por revelar, com a transparência que está apenas ao alcance dos bons repórteres, como se vive (e como se morre) no interior de uma dessas feridas – talvez a mais monstruosa de todas elas, o gueto de Gaza.

(Nota: o próprio realizador do filme, o jornalista James Miller, foi assassinado com uma bala no pescoço pelo exército israelita durante as filmagens, acontecimento que também é narrado no documentário. Death in Gaza é um grande documento sobre a vida e a morte numa paisagem atormentada, dilacerada, despedaçada, como tantas outras por esse mundo fora.)