Chama-se Márcia; e é um nadinha menos arrojada mas um bom pedaço mais romântica do que a diva inglesa.

(adenda: para aí desde os Três Tristes Tigres que não me lembrava de que música pop pudesse simultaneamente ser portuguesa e audível)