Passo decisivo para afastar ainda mais o poder das pessoas, a extinção de freguesias (nomeadamente as rurais) terá repercussões práticas brutais na degradação da paisagem de grande parte do território português.

Ao afastar-se das pessoas, o poder deixa de ser um meio que estas poderiam facilmente consultar e mobilizar para regular os impactos negativos de que o território e a paisagem são diariamente alvo. O estado vira costas às pessoas e ao território, o qual se aproxima assim um pouco mais da selva.

Quando o ministro nomeado para defender e valorizar o território dá por nome Assunção Cristas, que merda vale para esta gente a paisagem?

Quando todos pensávamos que Sócrates era o fundo do poço, descobrimos agora que, com PSD+CDS, o poço afinal não tem fundo. Cada dia que passa representa um mergulho cada vez mais fundo na miséria e na degradação, enquanto as conquistas históricas do 25 de Abril se afastam a uma velocidade vertiginosa.

Não está meramente em curso uma contra-revolução silenciosa: esta está praticamente concluída.