CHINA!

Na cidade chinesa de Anshun, conhecida apenas pelas suas cascatas únicas, projecta-se hoje a construção de raiz de uma cidade… europeia. Este novo produto turístico, que deverá atrair anualmente mais alguns milhões de turistas à cidade das cascatas, deverá estar pronto em 10 anos e toma a cidade do Porto por modelo. [Nunca é de mais recordar aqui uma das poucas definições  convincentes de ‘turismo’, esse fenómeno paradigmático da contemporaneidade e da sociedade do espectáculo, caracterizado por converter em produtos de consumo determinados recursos do território: “Subproduto da circulação das mercadorias, a circulação humana considerada como um consumo, o turismo, reduz-se fundamentalmente à distracção de ir ver o que se tornou banal” (Guy Debord)].

“The virtually unknown and landlocked city of 2.69 million people expects to complete the tourism expansion project with the help of big-ticket European investors. It hopes the project, which also includes a massive European township, would be completed in the next 10 years.” (China Daily, 9-11-2012)