Vários clichés animam o mundo habitado pela maioria dos arquitectos (quando digo ‘maioria’ não creio estar a ser injusto). Um deles é que o espaço exterior que envolve as magníficas jóias por si criadas deve ser objecto de uma coisa chamada “arranjos exteriores“.

O raciocínio que fazem é simples e parte de uma associação quase lógica: se as floristas fazem arranjos de flores, o trabalho dos arquitectos paisagistas, que são da família das floristas, é… arranjos exteriores. Sim, porque o espaço fica sem daninhas, fica limpo, liso, fica… fica arranjado.

Oh arquitecto, veja lá se este descampado não está mesmo a pedir uns 'arranjos exteriores'? Não seria bom chamarmos uns paisagistas?

Oh arquitecto, veja lá se este descampado não está mesmo a pedir uns ‘arranjos exteriores’? Não seria bom chamar uns paisagistas?