Outdoor publicitário no Campo Pequeno, Lisboa

E se a radiação electromagnética necessária para dar vida a uma enorme diversidade de gadgets não fosse tão inócua como fazem crer os industriais, exclusivamente interessados em vender telemóveis, telefones sem fio e toda uma panóplia de aparelhos wireless?

É o que acham os cientistas que, de forma independente e ao longo de anos, têm estudado os efeitos no nosso corpo dos campos electromagnéticos: leucemia e outros cancros infantis, cancro do cérebro e da mama, alzheimer, défices cognitivos, mudanças no funcionamento do ADN, reacções alérgicas, alterações no sistema nervoso central. Conheça o mais completo relatório mundial sobre os riscos, cada dia mais ‘cientificamente’ provados, da exposição humana aos campos de radiação electromagnética.

“You cannot see it, taste it or smell it, but it is one of the most pervasive environmental exposures in industrialized countries today. Electromagnetic radiation or electromagnetic fields are the terms that broadly describe exposures created by the vast array of wired and wireless technologies that have altered the landscape of our lives in countless beneficial ways. However, these technologies were designed to maximize energy efficiency and convenience; not with biological effects on people in mind. Based on new studies, there is growing evidence among scientists and the public about possible health risks associated with these technologies.” (excerto do relatório)