Archives for the month of: Março, 2013

Os dados da PSP mostram que, em 2012, a fome animou grande parte dos furtos cometidos em supermercados.

Apesar destes furtos, Belmiro de Azevedo (Continente, Modelo…) não ficou mais pobre: pelo contrário, a sua fortuna engordou 293 milhões de euros no mesmo ano… A família Soares dos Santos (Pingo Doce, Feira Nova…) tão pouco: a sua fortuna medrou 714 milhões de euros no mesmo período!! (não tenho por hábito usar pontos de exclamação…)

Essas fortunas são feitas de tudo quanto é diariamente roubado (no salário) aos funcionários do Continente, do Modelo, do Pingo Doce e do Feira Nova, mas também aos seus fornecedores, constantemente abusados e chantageados, para praticarem preços baixíssimos.

Entre os que furtam alimentos no supermercado para comer e os que furtam todo um país para fazerem engordar as suas fortunas, ninguém com coração e bom senso poderá deixar de estar do lado dos primeiros. Deixo-vos por isso alguns truques oportunamente explicados por um subcomissário da PSP a um jornalista do Público, para irmos adiando as “tormentas que nos aguardam”:

Por um lado, há a técnica conhecida de embrulhar os artigos em folhas de alumínio ou prata, para que não apitem nos detectores. Depois há quem use roupas mais compridas para encobrir os produtos, ou quem os esconda dentro das roupas dos filhos, porque normalmente ninguém revista uma criança.”

Duas caras da mesma moeda: Soares dos Santos e Passos Coelho

Duas faces da mesma moeda: a face económica (Soares dos Santos) e a face política (Passos Coelho)

Em toda a Alemanha, largas dezenas de igrejas são colocadas à venda. Sinais (muito positivos) dos tempos. Uma página web foi criada para o efeito: www.kirchengrundstuecke.de anuncia a venda de 170 templos e casas paroquiais e 140 terrenos baldios.

Igreja à venda por 81,000€, Duingdorf

Igreja à venda por 81,000€, Duingdorf

Casa paroquial à venda por 110,000€, Rollwitz

Casa paroquial à venda por 110,000€, Rollwitz

Igreja à venda por 640,000€, Hannover

Igreja à venda por 640,000€, Hannover

.

Interessante notícia hoje no El País:

“La Iglesia evangélica clausuró entre 1990 y 2010, 340 templos de los cuales 46 fueron demolidos y es muy posible que otros mil templos tengan que ser cerrados en las próximas dos décadas a causa de un problema que el pastor Reinhardt Maiwack, portavoz de la institución, conoce de memoria. “Entre 120.000 y 150.000 personas abandonan la Iglesia cada año”, dijo el pastor a EL PAÍS.

Las estadísticas de la Iglesia Católica son similares. Según el informe anual 2011-2012 de la Conferencia Episcopal, 126.488 personas abandonaron en 2011 la Iglesia católica alemana, una sangría que obligó a los obispos a cerrar más de 400 templos. “En los próximos 10 años se calcula que unas 700 iglesias dejaran de ser utilizadas para celebrar la liturgia”, dijo el portavoz de la Conferencia Episcopal, Mathhias Kopp.

La venta de iglesias católicas y templos evangélicos en Alemania obedece a una ley categórica que impera en el capitalismo. Sin dinero y sin fieles, las naves religiosas pierden su razón de ser y las autoridades deben vender los edificios donde antiguamente se predicaba la palabra divina. Según estadísticas oficiales, actualmente hay en Alemania un 10% menos de católicos y un 17% menos de evangélicos de los que había a comienzos de los años noventa.

Pero la venta también dejó al desnudo un fenómeno que nunca ha terminado de ser aceptado por los fieles y que provoca inquietud. La gran mayoría de las iglesias que se venden son convertidas en atractivos restaurantes, pistas de baile, gimnasios y oficinas de lujo como ocurrió con la iglesia evangélica Stephanuskirche, en el elegante barrio Eimsbüttel de Hamburgo, o con el monasterio de Geistingen, cerca de Colonia, que fue transformado en un lujoso complejo de viviendas.

La metamorfosis de los templos religiosos en centro de consumo o en oficinas de lujo, que había sido aceptada de mala gana por los fieles, provocó recientemente una terrible polémica en Hamburgo, una ciudad rica, culta, liberal, tolerante y que está orgullosa de ser, como reza uno de sus lemas más conocidos, “una puerta abierta al mundo”.

La famosa tolerancia hanseática se hizo trizas cuando la población se enteró, a comienzos de febrero, que la iglesia evangélica Kapernaum ubicado en el barrio Hamburgo-Horn, y que aún luce una torre de 44 metros de altura, había sido adquirida por una comunidad musulmana, para convertir el histórico edificio en una mezquita.

La comunidad musulmana turca Al-Naour dará a conocer a la opinión pública en breve los planes que tiene para remodelar su interior y ya ha prometido que la fachada seguirá siendo la misma y que la famosa torre no será convertida en un minarete. “Lo que fue una casa de Dios, seguirá siendo una casa de Dios”, dijo Daniel Abdin, el líder de la comunidad. “La casa estará abierta a todos los que deseen visitarla”.

El edificio había dejado de funcionar como templo religioso en 2002 a causa de un mal que aqueja a la Iglesia evangélica y a la católica por igual. Más de 100.000 creyentes cada año dejan de asistir a los servicios religiosos y, más grave aún, dejan de pagar el diezmo. El templo de Hamburgo-Horn fue adquirido en 2005 por un empresario que prometió transformarlo en un parvulario. El proyecto nunca prosperó y, a fines de 2012, la comunidad Al-Naour, adquirió el edificio.

El negocio inmobiliario acabó con la convivencia pacífica entre cristianos y musulmanes en la tolerante y hermosa ciudad de Hamburgo y contagió al país con una polémica inédita que amenaza con envenenar las, de por sí, delicadas relaciones interreligiosas entre el mundo cristiano y el musulmán, en un país donde viven más tres millones de personas que rezan al profeta: ¿Permiten las reglas que rigen la vida de los evangélicos y católicos, convertir un templo en una mezquita?.

La Iglesia evangélica reformó sus estatutos y el año 2007 prohibió esa posibilidad, pero la medida no afectó a la venta del templo en Hamburgo. Los contratos de compra-venta de templos que firma la Iglesia católica incluyen, desde 2003, una cláusula que impide la transformación de un templo en una mezquita.

La obispo de Hamburgo, Kirsten Fehrs, intentó apagar el incendio con una frase que causó irritación entre su rebaño. “La Iglesia seguirá siendo una casa de Dios”, dijo, y añadió que deseaba llevar a cabo un dialogo entre cristianos y musulmanes libre de prejuicios, una visión que no comparte, por ejemplo, el pastor Ulrich Rüss, quien señaló que la divisa, “media luna en lugar de un crucifico”, además de ser contraproductiva dejaba al desnudo los efectos negativos de la secularización y los deseos de la religión musulmana de seguir expandiendo su poder en Alemania.

El obispo auxiliar católico de Hamburgo, Hans Jochen Jaschke fue un poco más lejos y se atrevió a calificar la operación de compraventa del templo evangélico como una desgracia y que era impensable intercambiar Ia Iglesia y el cristianismo con el islam, una opinión que también fue apoyada por la dirección regional de la CDU, el partido que preside la canciller Angela Merkel.

La polémica en torno a la iglesia reconvertida en mezquita alcanzó, hace una semana, un grado peligroso y que puede convertir el barrio en un campo de batalla, cuando unos 300 neonazis llevaron a cabo una protesta para impedir la herejía. De inmediato la agrupación Hamburgo contra Nazis convocó a sus miembros para que se apostaran en las inmediaciones de la iglesia. La sangre no llegó al río Elba gracias a la intervención de la policía, pero el incidente marcó el comienzo de una primavera caliente.”

Enrique Muller, El País

Ao contrário de Lisboa, em Berlim existe mobiliário urbano interessante sem acabar. Um motivo apenas, entre tantos outros, que fazem da capital alemã a melhor cidade europeia para se viver (perdoem-me os leitores londrinos deste blog) – apesar do boom recentemente verificado na especulação imobiliária em bairros que há menos de uma década estavam acessíveis a todas as classes sociais, incluindo aquela a que eu pertenço.

Há um banco que todos em Prenzlauer Berg conhecem e que é muita coisa ao mesmo tempo: cómodo, prático, moderno, clássico, artificial, natural, orgânico, robusto, airoso…

Praticamente sozinho, este banco define um lugar. Um lugar aos esses…

Banco em ziguezague, 2008, Andrea Morgenstern

Banco em ziguezague, Berlim, 2008, Andrea Morgenstern

O banco arrasta-se como uma serpente, o que não deixa de ser curioso: trata-se de um local para o repouso, ou seja, para acolher a inibição de movimento, mas que tem um movimento, um balanço, um ritmo muito próprio.

Banco..., Andrea Morgenstern

Banco…, Andrea Morgenstern

E eis que, ao mais pequeno sinal de vida dado pelo Sol, o banco se torna um inevitável ponto de atracção para as vidas de centenas de berlinenses.

Banco..., Andrea Morgenstern

Banco…, Andrea Morgenstern

Banco..., Andrea Morgenstern

Banco…, Andrea Morgenstern

Banco..., Andrea Morgenstern

Banco…, Andrea Morgenstern

Banco..., Andrea Morgenstern

Banco…, Andrea Morgenstern

Banco..., Andrea Morgenstern

Banco…, Andrea Morgenstern

Estará o feudalismo na moda?

Como tenho demonstrado neste blog, por exemplo aqui e aqui, a resposta infelizmente é um inequívoco ‘sim‘: a elite neo-liberal parece efectivamente buscar inspiração nesse período da história em que a aristocracia fundiária assentava o seu poder absoluto sobre o controlo hegemónico dos territórios economicamente interessantes, dos quais dependia um campesinato miserável que neles trabalhava. Como já aqui escrevi:

se Salazar lia Hitler e Passos lê Salazar, porque raio a elite dos tempos que correm não poderia buscar inspiração nos Senhores feudais?

Nesta série de posts vou abordando alguns exemplos portugueses e actuais deste novo feudalismo (que resulta do facto de no topo da sociedade estar uma elite que por todos os meios procura reter e acumular tudo ou quase tudo quanto o território tem de melhor), o qual ninguém acha que deva ser analisado, interrogado ou simplesmente conhecido.

O exemplo de hoje chama-se Pine Cliffs Resort, um feudo contemporâneo que se apresenta ao público da seguinte forma (os sublinhados e parêntesis são meus):

Imagine um lugar plantado à beira-mar, de fina areia dourada e com a sua imponente falésia de cor ocre, em total harmonia com a natureza [recorda-se do mito do natural, que já aqui tratei?].

Imagine que neste lugar o serviço de excelência é providenciado pelo Sheraton Algarve Hotel, parte da marca Luxury Collection, e que, por entre os frondosos espaços verdes, se encontram variados cantos e recantos especializados em gastronomia portuguesa e internacional, bem como um campo de golfe e sua respectiva academia, várias piscinas, academia de ténis, um kids club – Porto Pirata, salão de estética e cabeleireiro, enfim, um mundo recheado com o que de melhor a vida tem [ora aqui está a melhor definição que poderíamos encontrar para os feudos contemporâneos: um mundo recheado com o que de melhor a vida tem]. Este lugar magnífico tem o nome de Pine Cliffs Resort, um exemplo verdadeiramente excecional de um resort turístico de luxo, com uma privilegiada e espetacular localização defronte ao mar, na magnífica costa algarvia, ao sul de Portugal.

Sobranceiro às falésias de cor ocre que se debruçam sobre as praias de areia dourada e o Atlântico, o resort resguarda-se por entre as sombras dos pinheiros mansos, dos jardins imaculados e do verde luxuriante dos campos de golfe. A arquitetura baixa [pois, a ‘arquitectura alta’ que deixa a vista prisioneira do betão não deve penetrar estes feudos para não inibir a reprodução de um outro mito que também já aqui tratei: o mito da infinitude] abre caminho por esta paisagem espantosa, criando refúgios naturais que tornarão memoráveis as suas experiências de férias em família.

(…)

Aliado a este local único, está uma empresa líder, sólida e em franca expansão em várias regiões do mundo. O Pine Cliffs Resort faz parte do portfólio da United Investments Portugal (U.I.P.), uma das empresas do consórcio IFA Hotels & Resorts, com sede no Dubai [o epicentro do capitalismo mundial, e das suas múltiplas máfias, não poderia deixar de estar no centro destes feudos]. O grupo IFA Hotels & Resorts é um dos principais grupos internacionais no desenvolvimento de projectos turísticos integrados, bem como na prestação de serviços turísticos de luxo.

(…)

O Pine Cliffs Resort é sem dúvida a opção daqueles que procuram um certo estilo de vida, estilo este que não se explica, mas que se sente. Talvez seja esta uma das razões inerente ao prémio recebido pelo World Travel Awards em 2004, 2005 e 2006 , como Melhor Resort em Portugal – Melhor Golf Resort em 2007 e Melhor Resort Familiar em 2009, 2010, 2011 e 2012.

Venha Explorar, Sonhar, Descobrir o Pine Cliffs Resort. Um lugar único no mundo.”

Foto promocional

Foto promocional

...

...

...

Uma vez mais, sem necessitar de sair do feudo de que é co-proprietário ou mero cliente, cada Senhor dispõe de um vasto mundo para explorar onde, como num feudo medieval, não está autorizado a entrar quem não pertence à sua classe social a não ser para prestar-lhe algum serviço específico: cortar a relva, limpar a casa, preparar o almoço, zelar pela sua segurança… As preocupações, essas, também deverão ficar à porta do feudo:

Imagine um cocktail soirée no topo da falésia, ao pôr do sol, o seu casamento no jardim rodeado de pinheiros ou um simples e jovial barbeque na praia.”

O arrozinho já está à espera

O arrozinho já está à espera

.

[via http://blog.5dias.net/ ]

“A perda da qualidade, tão evidente a todos os níveis da linguagem espectacular, dos objectos que ela louva e das condutas que ela regula, não faz senão traduzir os caracteres fundamentais da produção real que repudia a realidade: a forma-mercadoria é de uma ponta a outra a igualdade consigo própria, a categoria do quantitativo. É o quantitativo que ela desenvolve, e ela não se pode desenvolver senão nele.” (in: A Sociedade do Espectáculo, Guy Debord, 1967)

.

Supermercado, Évora, 2013, Pedro Duarte

Supermercado, Évora, 2013, Pedro Duarte

Desde que, na despensa de casa da minha avó, fui há uns anos descobrir um frasquinho de mel cujo rótulo informava ser composto por uma misteriosa ‘mistura de méis originários e não originários da U.E.’ que me apercebi de um facto que não creio ser menor: os supermercados vendem hoje autênticas maravilhas, cheias de “subtilezas metafísicas”, que ultrapassam largamente as capacidades cognitivas do cérebro do comum mortal.

Antes do mel ‘global’, vieram os iogurtes com pedaços de fruta ‘verdadeira’ (quer dizer que antes desses, conhecêramos apenas os iogurtes com pedaços de fruta ‘falsa’). Depois veio a carne picada ‘de vaca’ que afinal era ‘de cavalo’. A lógica deixou de conseguir justificar o que hoje, subterraneamente, se vende nas atractivas prateleiras do supermercado. A lista seria imensa: frutas brilhantes que satisfazem a vista mas raramente o paladar ou a saúde, champôs que nos fazem animais mais sedutores mas que se revelam os piores inimigos do couro cabeludo…

A Sociedade do Espectáculo” ajuda-nos a compreender, talvez como nenhum outro livro, o que realmente acontece no supermercado. O facto de muito pouca gente ter lido este livro explica, na minha opinião, porque é que tão poucos escrevem sobre esse (não-)lugar, apesar deste estar milimetricamente situado no centro da vida contemporânea, pois tudo gravita em seu torno: (a) o acesso das classes médias ao pseudo-conforto que lhes acena a publicidade, (b) a exploração das matérias-primas e das fábricas do terceiro-mundo (para que o pseudo-conforto não fique muito caro), (c) as super-competitivas multinacionais que monopolizam as produções, (d) os pequenos produtores que cessam de produzir por ‘falta de competitividade’ (vendo-se por isso obrigados a migrar para as favelas que se multiplicam pelas metrópoles do ‘terceiro mundo’), (e) as contaminações que causam, na fase de produção intensiva, as mercadorias aí vendidas, (f) o urbanismo que refaz a cidade de modo a torná-la refém do consumo…

Que os políticos jamais falem do supermercado é sintomático do desinteresse generalizado destes por subverter, transformar, questionar o mais ínfimo detalhe (social, cultural, urbanístico, ambiental…) dos nossos quotidianos, dos nossos mundos, daquilo que efectivamente se passa diariamente no nosso planeta. A política há muito que se divorciou do real. E é exactamente por causa desta brutal demissão da política de querer determinar a construção da base real da nossa pólis que o frasquinho de mel de casa da minha avó continuará a ser esquizofrenicamente ‘originário e não-originário da U.E.’.

Supermercado..., Pedro Duarte

Supermercado…, Pedro Duarte

.

O espectáculo é uma permanente guerra do ópio para fazer aceitar a identificação dos bens às mercadorias; e da satisfação à sobrevivência, aumentando segundo as suas próprias leis. Mas se a sobrevivência consumível é algo que deve aumentar sempre, é porque ela não cessa de conter a privação. Se não há nenhum além para a sobrevivência aumentada, nenhum ponto onde ela poderia cessar o seu crescimento, é porque ela própria não está para além da privação, mas é sim a privação tornada mais rica.” (in: A Sociedade do Espectáculo, Guy Debord, 1967)

Triple E, o maior barco do mundo

Triple E, o maior barco do mundo

Os maiores barcos do mundo, actualmente em construção na Coreia do Sul, ultrapassarão os 400m de comprimento e servirão para transportar contentores com as mercadorias que ligam hoje o mundo. O mundo global não dispensa monstros destes. Chamam-se Maersk Triple E, serão 20 e farão a rota Ásia-Europa, irrigando os mercados ocidentais de produtos chineses.

One Hyde Park, Londres, 2013, Dylan Thomas

One Hyde Park, Londres, 2013, Dylan Thomas

Super-investigação da Vanity Fair sobre o super-habitat das super-elites. Um resumo:

“Who really lives at One Hyde Park, called the world’s most expensive residential building? Its mostly absentee owners, hiding behind offshore corporations based in tax havens, provide a portrait of the new global super-wealthy.

(…)

Professor Gavin Stamp, of Cambridge University, an architectural historian, called it “a vulgar symbol of the hegemony of excessive wealth, an over-sized gated community for people with more money than sense, arrogantly plonked down in the heart of London.”

(…)

That’s not because the apartments haven’t sold. London land-registry records say that 76 had been by January 2013 for a total of $2.7 billion—but, of these, only 12 were registered in the names of warm-blooded humans, including Christian Candy, in a sixth-floor penthouse. The remaining 64 are held in the names of unfamiliar corporations: three based in London; one, called One Unique L.L.C., in California; and one, Smooth E Co., in Thailand. The other 59—with such names as Giant Bloom International Limited, Rose of Sharon 7 Limited, and Stag Holdings Limited—belong to corporations registered in well-known offshore tax havens, such as the Cayman Islands, the British Virgin Islands, Liechtenstein, and the Isle of Man.

From this we can conclude at least two things with certainty about the tenants of One Hyde Park: they are extremely wealthy, and most of them don’t want you to know who they are and how they got their money.

(…)

It comes as a surprise to most people that the most important player in the global offshore system of tax havens is not Switzerland or the Cayman Islands, but Britain

(…)

“Those people who do buy these houses, particularly the bigger ones, in many cases don’t buy them to live in permanently: they are part of a portfolio,” said Bendixson

(…)

Perhaps the most striking fact about One Hyde Park and the London super-prime property market is what it tells us about who the world’s richest people are. Many people think the greatest winners of globalization today are financiers. A decade or so ago, that may have been true. But today another class sits above even them—the global commodity plutocrats: owners of mineral rights, or dominant players in mineral-rich countries in sectors such as construction and finance that benefit from commodity booms.

(…)

London real-estate agents confirm that these commodity plutocrats dethroned the financiers some time before the financial crisis hit. “I can’t remember the last time I sold a property to a banker,” says Stephen Lindsay, of the real-estate agency Savills. “It’s been hard for anyone to compete with the Russians, the Kazakhs. They are all in oil, gas—that is what they do. Construction—all that kind of stuff.”

O artigo completo da Vanity Fair aqui.

[Via José Reis & Cristina]

A capoeira sádica do meu vizinho da frente, Alentejo, 2013, Pedro duarte

A capoeira sádica do meu vizinho da frente, Alentejo, 2013, Pedro Duarte

Usar um poster que alude à liberdade como vedação numa capoeira tem o seu ponto de sadismo…

… para variar, os cenários criados para os seus edifícios-jóias neutralizam a presença perturbadora da paisagem. As paisagens reduzem-se aqui à mera função de servirem de cenários neutros, sem expressão própria, para obras que se devem impor no território como novos marcos turístico-identitários, ou, como agora se diz, como novas marcas. Falta à ‘arquitectura do nosso tempo’ uma certa predisposição para abrir-se à violência – do tempo, das pessoas, das paisagens.

Serpentine Gallery Pavilion de Toyo Ito, Londres, 2006, turezure (flickr)

Serpentine Gallery Pavilion de Toyo Ito, Londres, 2006, turezure (flickr)

Teahouse de Toyo Ito, 2006, jontofski (flickr)

Teahouse de Toyo Ito, 2006, jontofski (flickr)