Archives for category: Elites

Um pouco por todo o país, o fenómeno em curso e já aqui tratado da feudalização do território é geralmente acompanhado pela exportação de um mau gosto que os betinhos das cidades fazem chegar à província, às aldeias, ao campo.

Em tudo o que as mãos destes betinhos tocam, aparece esse mesmo mau gosto que reproduz uma curta gama de clichés, frequentemente associados a uma ideia cristalizada do ‘rústico’.

Ora, o ‘rústico’ é precisamente uma invenção dos betinhos das cidades que, quando chegam à província, ao campo, decoram as suas casas de fim de semana e hotéis de acordo com uma estética campestre idealizada. Uma estética campestre filtrada pelo imaginário rudimentar dos betinhos que, secretamente (ou cada vez menos secretamente), gostariam que o país voltasse ao que era antes de 1974.

Anúncios

Mas onde iremos um dia ocupar todas estas pessoas completamente normais, com muito cérebro e pouca estética, quando “os ganhos de produtividade, a deslocalização, a mecanização, a automatização e a digitalização da produção progrediram de tal modo que reduziram a quase nada a quantidade de trabalho vivo necessário à confecção de cada mercadoria” (Comité Invisible)?

[parece que a Católica removeu do Youtube o vídeo sobre a Católica]

Editorial do Le Monde (sublinhados meus):

Le système offshore, cet ennemi patenté de la démocratie

Photographie d'une agence de la First Bank, un établissement bancaire situé à Antigua, extraite de la série "Offshore", de Philippe Durand, réalisée dans divers paradis fiscaux des Caraïbes.

Editorial, par la directrice du Monde. Que n’avait-on entendu, au lendemain de la convulsion financière mondiale de 2007-2008 ! Les mots d’ordre claquaient: la finance internationale serait mieux régulée, les paradis fiscaux impitoyablement combattus, bref, on en finirait avec les trous noirs d’un système couvrant tous les abus. Les conclusions d’un G20 tenu à Londres se voulaient très vertueuses. Les Etats de ce cénacle promettaient “des mesures contre les paradis fiscaux”, brandissaient la menace de sanctions et assuraient à tout-va que “l’époque du secret bancaire était terminée”.

Après la crise qui vient de secouer Chypre, place offshore prisée par les oligarques russes et autres amateurs d’opacité dans la gestion de leurs affaires, nous voici, en France, dans le tourbillon de l’affaire Cahuzac, un scandale d’Etat qui met en cause la probité et la transparence élémentaires réclamées de tout responsable politique, a fortiori de haut rang. L’actualité est parfois faite d’enchaînements vertigineux. Que les choses soient claires : l’enquête que Le Monde commence à publier aujourd’hui, consacrée au maquis des paradis fiscaux à l’échelle mondiale, à leur fonctionnement occulte et à leurs bénéficiaires de tous horizons, ne prend son point de départ ni dans les tumultes de Nicosie ni dans les démêlés de M. Cahuzac.

Cette investigation a été lancée voici des mois. Elle se base sur l’accès sans précédent qu’un consortium international de journalistes d’investigation a pu avoir à une gigantesque base de données, révélant les dessous du monde offshore. 2,5 millions de fichiers ont été épluchés, comparés, recoupés. Le résultat : la mise à nu du maillage tentaculaire de la finance de l’ombre. Dans cette masse de documents, deux banques françaises sont mentionnées. Ainsi que l’ancien trésorier de la campagne de François Hollande en 2012, Jean-Jacques Augier, qui assure ne rien avoir fait d’illégal en recourant, pour un partenaire chinois, à des montages offshore.L’exposition de cas individuels, aussi saisissants soient-ils, ne doit pas masquer le fond du problème : les paradis fiscaux sont une menace pour la démocratie. Ils minent l’état de droit en jouant sur la dissimulation. Ils sont l’aubaine absolue des fraudeurs de tous bords. Ils favorisent le détournement de richesses publiques dans les Etats où fleurissent concussion et corruption. Dans cet univers de créativité juridique semble-t-il illimitée, ce sont des sommes colossales qui se cachent derrière des sociétés écrans. De riches particuliers y détiendraient au total, l’équivalent des PIB des Etats-Unis et du Japon additionnés. Nul ne pourra prétendre, à la lumière de cette enquête, que les dirigeants politiques, malgré leurs dires, se soient donné les véritables moyens d’agir. Il est urgent de renforcer les règles, les moyens de contrôle, la coopération transfrontalière. La lutte contre le blanchiment passe par là. Et les banques occidentales amatrices de schémas opaques pourront difficilement faire l’économie de réponses claires. Du moins si elles veulent que, à l’heure de la crise, crédit soit accordé à leurs professions de foi sur l'”éthique”.

.

Natalie Nougayrède

Artigo no The Guardian (sublinhados meus):

.

Leaks reveal secrets of the rich who hide cash offshore

Exclusive: Offshore financial industry leak exposes identities of 1,000s of holders of anonymous wealth from around the world

British Virgin Islands

Millions of internal records have leaked from Britain’s offshore financial industry, exposing for the first time the identities of thousands of holders of anonymous wealth from around the world, from presidents to plutocrats, the daughter of a notorious dictator and a British millionaire accused of concealing assets from his ex-wife.

The leak of 2m emails and other documents, mainly from the offshore haven of the British Virgin Islands (BVI), has the potential to cause a seismic shock worldwide to the booming offshore trade, with a former chief economist at McKinsey estimating that wealthy individuals may have as much as $32tn (£21tn) stashed in overseas havens.

In France, Jean-Jacques Augier, President François Hollande’s campaign co-treasurer and close friend, has been forced to publicly identify his Chinese business partner. It emerges as Hollande is mired in financial scandal because his former budget minister concealed a Swiss bank account for 20 years and repeatedly lied about it.

In Mongolia, the country’s former finance minister and deputy speaker of its parliament says he may have to resign from politics as a result of this investigation.

But the two can now be named for the first time because of their use of companies in offshore havens, particularly in the British Virgin Islands, where owners’ identities normally remain secret.

The names have been unearthed in a novel project by the Washington-based International Consortium of Investigative Journalists [ICIJ], in collaboration with the Guardian and other international media, who are jointly publishing their research results this week.

The naming project may be extremely damaging for confidence among the world’s wealthiest people, no longer certain that the size of their fortunes remains hidden from governments and from their neighbours.

BVI’s clients include Scot Young, a millionaire associate of deceased oligarch Boris Berezovsky. Dundee-born Young is in jail for contempt of court for concealing assets from his ex-wife.

Young’s lawyer, to whom he signed over power of attorney, appears to control interests in a BVI company that owns a potentially lucrative Moscow development with a value estimated at $100m.

Another is jailed fraudster Achilleas Kallakis. He used fake BVI companies to obtain a record-breaking £750m in property loans from reckless British and Irish banks.

As well as Britons hiding wealth offshore, an extraordinary array of government officials and rich families across the world are identified, from Canada, the US, India, Pakistan, Indonesia, Iran, China, Thailand and former communist states.

The data seen by the Guardian shows that their secret companies are based mainly in the British Virgin Islands.

Sample offshore owners named in the leaked files include:

• Jean-Jacques Augier, François Hollande’s 2012 election campaign co-treasurer, launched a Caymans-based distributor in China with a 25% partner in a BVI company. Augier says his partner was Xi Shu, a Chinese businessman.

• Mongolia’s former finance minister. Bayartsogt Sangajav set up “Legend Plus Capital Ltd” with a Swiss bank account, while he served as finance minister of the impoverished state from 2008 to 2012. He says it was “a mistake” not to declare it, and says “I probably should consider resigning from my position”.

• The president of Azerbaijan and his family. A local construction magnate, Hassan Gozal, controls entities set up in the names of President Ilham Aliyev’s two daughters.

• The wife of Russia’s deputy prime minister. Olga Shuvalova’s husband, businessman and politician Igor Shuvalov, has denied allegations of wrongdoing about her offshore interests.

•A senator’s husband in Canada. Lawyer Tony Merchant deposited more than US$800,000 into an offshore trust.

He paid fees in cash and ordered written communication to be “kept to a minimum”.

• A dictator’s child in the Philippines: Maria Imelda Marcos Manotoc, a provincial governor, is the eldest daughter of former President Ferdinand Marcos, notorious for corruption.

• Spain’s wealthiest art collector, Baroness Carmen Thyssen-Bornemisza, a former beauty queen and widow of a Thyssen steel billionaire, who uses offshore entities to buy pictures.

• US: Offshore clients include Denise Rich, ex-wife of notorious oil trader Marc Rich, who was controversially pardoned by President Clinton on tax evasion charges. She put $144m into the Dry Trust, set up in the Cook Islands.

It is estimated that more than $20tn acquired by wealthy individuals could lie in offshore accounts. The UK-controlled BVI has been the most successful among the mushrooming secrecy havens that cater for them.

The Caribbean micro-state has incorporated more than a million such offshore entities since it began marketing itself worldwide in the 1980s. Owners’ true identities are never revealed.

Even the island’s official financial regulators normally have no idea who is behind them.

The British Foreign Office depends on the BVI’s company licensing revenue to subsidise this residual outpost of empire, while lawyers and accountants in the City of London benefit from a lucrative trade as intermediaries.

They claim the tax-free offshore companies provide legitimate privacy. Neil Smith, the financial secretary of the autonomous local administration in the BVI’s capital Tortola, told the Guardian it was very inaccurate to claim the island “harbours the ethically challenged”.

He said: “Our legislation provides a more hostile environment for illegality than most jurisdictions”.

Smith added that in “rare instances …where the BVI was implicated in illegal activity by association or otherwise, we responded swiftly and decisively”.

The Guardian and ICIJ’s Offshore Secrets series last year exposed how UK property empires have been built up by, among others, Russian oligarchs, fraudsters and tax avoiders, using BVI companies behind a screen of sham directors.

Such so-called “nominees”, Britons giving far-flung addresses on Nevis in the Caribbean, Dubai or the Seychelles, are simply renting out their names for the real owners to hide behind.

The whistleblowing group WikiLeaks caused a storm of controversy in 2010 when it was able to download almost two gigabytes of leaked US military and diplomatic files.

The new BVI data, by contrast, contains more than 200 gigabytes, covering more than a decade of financial information about the global transactions of BVI private incorporation agencies. It also includes data on their offshoots in Singapore, Hong Kong and the Cook Islands in the Pacific.

The Guardian

.

Ocasião para podermos constatar a validade de uma tese de Debord, sobre o ‘segredo generalizado’ que domina a sociedade espectacular:

E porque as novas condições dum manejo proveitoso dos assuntos económicos o exigem imperativamente, no momento em que o Estado detém uma parte hegemónica na orientação da produção e onde a procura para todas as mercadorias depende estreitamente da centralização realizada na informação-incitação espectacular, à qual deverão também adaptar-se as formas de distribuição, que por todo o lado se vê constituírem-se redes de influência ou sociedades secretas. Não é mais que um produto natural do movimento de concentração de capitais, da produção, da distribuição. Nesta matéria, aquilo que não se estende deve desaparecer; e nenhuma empresa pode estender-se sem os valores, as técnicas, os meios, daquilo que são hoje a indústria, o espectáculo, o Estado. Em última análise é o desenvolvimento particular escolhido pela economia da nossa época, que vem impor por toda a parte a formação de novos laços pessoais de dependência e de protecção.
.
É justamente neste ponto que reside a profunda verdade desta fórmula, tão bem compreendida em toda a Itália, usada pela Mafia siciliana: «Quem tem dinheiro e amigos ri-se da Justiça». No espectacular integrado, as leis dormem; porque não foram feitas para as novas técnicas de produção, e porque elas são torneadas na distribuição por acordos de um tipo novo. O que pensa ou prefere o público não tem importância. Eis o que é escondido pelo espectáculo de tantas sondagens de opinião, de eleições, de restruturações modernizantes. Quem quer que sejam os vencedores, o menos bom será arrebatado pela amável clientela: já que terá sido exactamente isso que foi produzido para ela.
.
Só se fala continuamente de «Estado de Direito», a partir do momento em que o Estado moderno dito democrático deixou em geral de o ser. Não é de modo nenhum por acaso que a expressão só foi popularizada pouco depois de 1970 e, em primeiro lugar, justamente em Itália. Em muitos domínios, fazem-se mesmo leis precisamente para que sejam torneadas, por aqueles que justamente possuirão todos os meios para isso. A ilegalidade em certas circunstâncias, por exemplo, à volta do comércio mundial de todo o tipo de armamentos, e mais frequentemente envolvendo produtos da mais alta tecnologia, não é mais que uma espécie de força de apoio da operação económica, que se encontrará muito mais rentável. Hoje muitos negócios são necessariamente desonestos como o século, e não como eram outrora aqueles que praticavam, em séries claramente delimitadas, os homens que tinham escolhido os caminhos da desonestidade.”
.
[Capítulo XXVI dos Comentários sobre a Sociedade do Espectáculo]

Estará o feudalismo na moda?

Como tenho demonstrado neste blog, por exemplo aqui e aqui, a resposta infelizmente é um inequívoco ‘sim‘: a elite neo-liberal parece efectivamente buscar inspiração nesse período da história em que a aristocracia fundiária assentava o seu poder absoluto sobre o controlo hegemónico dos territórios economicamente interessantes, dos quais dependia um campesinato miserável que neles trabalhava. Como já aqui escrevi:

se Salazar lia Hitler e Passos lê Salazar, porque raio a elite dos tempos que correm não poderia buscar inspiração nos Senhores feudais?

Nesta série de posts vou abordando alguns exemplos portugueses e actuais deste novo feudalismo (que resulta do facto de no topo da sociedade estar uma elite que por todos os meios procura reter e acumular tudo ou quase tudo quanto o território tem de melhor), o qual ninguém acha que deva ser analisado, interrogado ou simplesmente conhecido.

O exemplo de hoje chama-se Pine Cliffs Resort, um feudo contemporâneo que se apresenta ao público da seguinte forma (os sublinhados e parêntesis são meus):

Imagine um lugar plantado à beira-mar, de fina areia dourada e com a sua imponente falésia de cor ocre, em total harmonia com a natureza [recorda-se do mito do natural, que já aqui tratei?].

Imagine que neste lugar o serviço de excelência é providenciado pelo Sheraton Algarve Hotel, parte da marca Luxury Collection, e que, por entre os frondosos espaços verdes, se encontram variados cantos e recantos especializados em gastronomia portuguesa e internacional, bem como um campo de golfe e sua respectiva academia, várias piscinas, academia de ténis, um kids club – Porto Pirata, salão de estética e cabeleireiro, enfim, um mundo recheado com o que de melhor a vida tem [ora aqui está a melhor definição que poderíamos encontrar para os feudos contemporâneos: um mundo recheado com o que de melhor a vida tem]. Este lugar magnífico tem o nome de Pine Cliffs Resort, um exemplo verdadeiramente excecional de um resort turístico de luxo, com uma privilegiada e espetacular localização defronte ao mar, na magnífica costa algarvia, ao sul de Portugal.

Sobranceiro às falésias de cor ocre que se debruçam sobre as praias de areia dourada e o Atlântico, o resort resguarda-se por entre as sombras dos pinheiros mansos, dos jardins imaculados e do verde luxuriante dos campos de golfe. A arquitetura baixa [pois, a ‘arquitectura alta’ que deixa a vista prisioneira do betão não deve penetrar estes feudos para não inibir a reprodução de um outro mito que também já aqui tratei: o mito da infinitude] abre caminho por esta paisagem espantosa, criando refúgios naturais que tornarão memoráveis as suas experiências de férias em família.

(…)

Aliado a este local único, está uma empresa líder, sólida e em franca expansão em várias regiões do mundo. O Pine Cliffs Resort faz parte do portfólio da United Investments Portugal (U.I.P.), uma das empresas do consórcio IFA Hotels & Resorts, com sede no Dubai [o epicentro do capitalismo mundial, e das suas múltiplas máfias, não poderia deixar de estar no centro destes feudos]. O grupo IFA Hotels & Resorts é um dos principais grupos internacionais no desenvolvimento de projectos turísticos integrados, bem como na prestação de serviços turísticos de luxo.

(…)

O Pine Cliffs Resort é sem dúvida a opção daqueles que procuram um certo estilo de vida, estilo este que não se explica, mas que se sente. Talvez seja esta uma das razões inerente ao prémio recebido pelo World Travel Awards em 2004, 2005 e 2006 , como Melhor Resort em Portugal – Melhor Golf Resort em 2007 e Melhor Resort Familiar em 2009, 2010, 2011 e 2012.

Venha Explorar, Sonhar, Descobrir o Pine Cliffs Resort. Um lugar único no mundo.”

Foto promocional

Foto promocional

...

...

...

Uma vez mais, sem necessitar de sair do feudo de que é co-proprietário ou mero cliente, cada Senhor dispõe de um vasto mundo para explorar onde, como num feudo medieval, não está autorizado a entrar quem não pertence à sua classe social a não ser para prestar-lhe algum serviço específico: cortar a relva, limpar a casa, preparar o almoço, zelar pela sua segurança… As preocupações, essas, também deverão ficar à porta do feudo:

Imagine um cocktail soirée no topo da falésia, ao pôr do sol, o seu casamento no jardim rodeado de pinheiros ou um simples e jovial barbeque na praia.”

One Hyde Park, Londres, 2013, Dylan Thomas

One Hyde Park, Londres, 2013, Dylan Thomas

Super-investigação da Vanity Fair sobre o super-habitat das super-elites. Um resumo:

“Who really lives at One Hyde Park, called the world’s most expensive residential building? Its mostly absentee owners, hiding behind offshore corporations based in tax havens, provide a portrait of the new global super-wealthy.

(…)

Professor Gavin Stamp, of Cambridge University, an architectural historian, called it “a vulgar symbol of the hegemony of excessive wealth, an over-sized gated community for people with more money than sense, arrogantly plonked down in the heart of London.”

(…)

That’s not because the apartments haven’t sold. London land-registry records say that 76 had been by January 2013 for a total of $2.7 billion—but, of these, only 12 were registered in the names of warm-blooded humans, including Christian Candy, in a sixth-floor penthouse. The remaining 64 are held in the names of unfamiliar corporations: three based in London; one, called One Unique L.L.C., in California; and one, Smooth E Co., in Thailand. The other 59—with such names as Giant Bloom International Limited, Rose of Sharon 7 Limited, and Stag Holdings Limited—belong to corporations registered in well-known offshore tax havens, such as the Cayman Islands, the British Virgin Islands, Liechtenstein, and the Isle of Man.

From this we can conclude at least two things with certainty about the tenants of One Hyde Park: they are extremely wealthy, and most of them don’t want you to know who they are and how they got their money.

(…)

It comes as a surprise to most people that the most important player in the global offshore system of tax havens is not Switzerland or the Cayman Islands, but Britain

(…)

“Those people who do buy these houses, particularly the bigger ones, in many cases don’t buy them to live in permanently: they are part of a portfolio,” said Bendixson

(…)

Perhaps the most striking fact about One Hyde Park and the London super-prime property market is what it tells us about who the world’s richest people are. Many people think the greatest winners of globalization today are financiers. A decade or so ago, that may have been true. But today another class sits above even them—the global commodity plutocrats: owners of mineral rights, or dominant players in mineral-rich countries in sectors such as construction and finance that benefit from commodity booms.

(…)

London real-estate agents confirm that these commodity plutocrats dethroned the financiers some time before the financial crisis hit. “I can’t remember the last time I sold a property to a banker,” says Stephen Lindsay, of the real-estate agency Savills. “It’s been hard for anyone to compete with the Russians, the Kazakhs. They are all in oil, gas—that is what they do. Construction—all that kind of stuff.”

O artigo completo da Vanity Fair aqui.

[Via José Reis & Cristina]

No Pedras Salgadas Spa & Nature Park (o nome já diz muita coisa) acaba de nascer o Eco-Resort Pedras Salgadas.

Os verdadeiros amantes da natureza fetichizada, que pernoitem numa eco house do Eco-Resort (será impressão minha ou o ‘eco’ estará a ficar aqui um pouco gasto?), poderão completar esta verdadeira experiência da natureza visitando o Spa Termal de Pedras Salgadas, o Golfe Vidago Palace e o Pena Aventura Park – spa, golfe e aventura completam aqui o pacote de eco-turismo.

Eco-house vista de fora, Fernando Guerra

Eco-houses vistas de fora, Fernando Guerra

Eco-house vista de dentro, Fernando Guerra

Eco-house vista de dentro, Fernando Guerra

Esse país chama-se Portugal e o seu governo, que professa aquela corrente do não-pensamento segundo a qual ‘tudo o que existe pode e deve ser vendido às novas elites feudais‘, acaba de inaugurar um portal para atrair compradores chamado

O seu país está à venda em http://www.livinginportugal.com/en/

Encontre o seu país à venda em http://www.livinginportugal.com/en/

e conheça os benefícios fiscais (sim, afinal este governo também sabe conceder benefícios fiscais!), bem como todas as outras estratégias e imagens usadas para seduzir potenciais compradores:

lp_home_casas_1_1697615445102ac8ab29e9

E descubra assim mais um projecto do governo para 2013, ano a vários títulos promissor: destinar os territórios mais privilegiados de Portugal a feudos das elites internacionais.

Definitivamente, o feudalismo entrou na moda – um novo género de feudalismo, é claro, mas que reproduz as mesmíssimas desigualdades no acesso aos recursos do território do feudalismo medieval. Acho que é um bom tema para irmos explorando ao longo de 2013. Já que mais ninguém o faz…

Estará o feudalismo na moda?

Buscará a elite do sistema neo-liberal inspiração nesse período da história em que a respectiva classe dominante, a aristocracia fundiária, baseava o seu poder absoluto no controlo hegemónico dos territórios economicamente interessantes, dos quais dependia um campesinato miserável que neles trabalhava? Lembremos apenas que, nesse período da idade Média, os territórios com maior potencial económico concentravam-se nas mãos de uma elite que possuía relações privilegiadas com o poder monárquico, o qual dela era dependente.

Hoje, a concentração esmagadora nas mãos de uma elite dos recursos mais estratégicos do território (monumentos históricos reconvertidos em pousadas, termas reconvertidas em spas, portos de pesca reconvertidos em marinas…) está a atingir níveis, porque não dizê-lo, feudais. Se Salazar lia Hitler e Passos lê Salazar, porque raio a elite dos tempos que correm não poderia buscar inspiração nos Senhores feudais?

Mudam-se os tempos, mas nem sempre as vontades. E hoje, como no século X, reafirma-se no topo da sociedade uma intrépida vontade em aceder à posse de tudo quanto o planeta de melhor tem para dar no que respeita a recursos estratégicos do território. As paisagens mais deslumbrantes são particularmente cobiçadas: é no seu seio que uma nova elite, filha dos negócios da república mas que paradoxalmente odeia os fundamentos da res publica, procura estabelecer as suas fortalezas privadas.

Bom Sucesso Architecture Resort, Leisure & Golf , cujo masterplan foi (julgando pelo que se ouve no vídeo promocional do resort) “desenhado pelo maior gabinete de projectos de resorts do mundo”, é uma espécie de feudo contemporâneo onde coexistem:

  • uma área vedada de 150 hectares
  • condições de privacidade para cada proprietário
  • um campo de golfe ‘championship’ de 18 buracos
  • um spa
  • um clube de ténis
  • uma zona comercial
  • proximidade do mar e da lagoa de Óbidos
  • segurança 24h

Quer isto dizer que, sem pôr um pé fora do feudo de que é co-proprietário, cada Senhor dispõe de um vasto mundo para explorar onde, como num feudo medieval, não está autorizado a entrar quem não pertence à sua classe social a não ser para prestar-lhe algum serviço específico: cortar a relva, limpar a casa, preparar o almoço, vigiar o empreendimento…

O feudalismo está definitivamente na moda.